La migración juvenil y las dificultades de reproducir la mano de obra en propiedades rurales familiares brasileñas

Palabras clave: Migración, Gestión rural, Mano de obre, Sucesión generacional

Resumen

En la agricultura familiar, los miembros de la familia son quienes, efectivamente, realizan no solo la gestión de la propiedad, sino también el trabajo. La mano de obra está compuesta por los gestores de la propiedad (generalmente los padres) que pasan las técnicas de producción y trabajo a los hijos desde muy temprano. Frente a tal escenario, el objetivo de este estudio es discutir la reproducción de la mano de obra en propiedades familiares teniendo como norte la sucesión generacional. A partir de la revisión bibliográfica, se verifica que la gestión de las propiedades familiares es significativamente dependiente de la mano de obra familiar, compuesta especialmente por los hijos que tienden a asumir el lugar de los padres como trabajadores y gestores de la ocupación agropecuaria. A partir de las referencias bibliográficas analizadas, es posible concluir que ha habido dificultades en el mantenimiento de los hijos de agricultores en el campo por medio de la sucesión generacional y, como consecuencia, dificultades en la renovación de la mano de obra familiar, que pueden acentuar problemas sociales relevantes en el medio rural como es el caso del envejecimiento y la masculinización del campo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Abramovay, Ricardo et al. 1998. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: Epagri; Brasília: Nead.

Almeida, Mauro William Barbosa de. 1996. Redescobrindo a família rural. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v.1, n. 1, p. 66-83.

Andreatta, Tanice. 2009. Bovinocultura de corte no Rio Grande do Sul: um estudo a partir do perfil dos pecuaristas e organização dos estabelecimentos agrícolas. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, 241 p.

Batalha Mário Otávio et al. 2005.Tecnologia de gestão e agricultura familiar. In: Souza Filho, Hildo Meirelles de e Batalha, Mário Otávio (Orgs.). Gestão integrada da agricultura familiar. São Carlos: Edufscar

Bednaříková, Zuzana et al. 2016. Migration motivation of agriculturally educated rural youth: The case of Russian Siberia. Journal of Rural Studies, v. 45, p. 99-111.DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2016.03.006

Bigolin, Tiago et al. 2020. Rural management: an approach to cost impacts in dairy activity. CUSTOS E AGRONEGOCIO ON LINE, v. 16, Special Edition, p. 257-280.

Boscardin, Mariele. et al. 2021. Permanência da juventude no meio rural: para além da sucessão geracional tradicional. Eutopía. Revista de Desarrollo Territorial. DOI 10.17141/eutopia.19.2021.4897.

Brasil. 2006. Lei Nº 11.326 estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais.

Brumer, Anita. 2001. Qual a vocação produtiva na agricultura familiar? Globalização, produção familiar e trabalho na agricultura. In: TEDESCO, J. C. Agricultura familiar: realidades e perspectivas. 3. ed. Passo Fundo: UPF.

Buainain, Antônio Márcio Alguns condicionantes do novo padrão de acumulação da agricultura brasileira. In: Buainain, Antônio Márcio et al. (editores técnicos). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola – Brasília, DF: Embrapa, p. 211-240, 2014.

Camarano, Ana Amélia e Abramovay, Ricardo. 1999. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos. Rio de Janeiro: IPEA.

Corsi, A. et al. What drives farm structural change? An analysis of economic, demographic and succession factors. Agriculture, v. 11, n. 5, p. 438, 2021.DOI: https://doi.org/10.3390/agriculture11050438

Damasceno, Nagilane Parente et al. 2011. O Impacto do Pronaf sobre a Sustentabilidade da Agricultura Familiar, Geração de Emprego e Renda no Estado do Ceará. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 49, n. 01, p. 129-156. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20032011000100006

De Mera, Claúdia Maria Prudencio e Netto, Carlos Guilherme Mielitz. 2014. Diminuição da População Rural na Região do Alto Jacuí/RS: Análise sob a Perspectiva dos Segmentos Rurais. Desenvolvimento em Questão, v. 12, n. 27, p. 216-263.

Dias, Emerson de Paulo. 2011. Conceitos de gestão e administração: uma revisão crítica. Revista Eletrônica de Administração, v. 1, n. 1, 2011.

Dieese, Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômicos. 2014. O mercado de trabalho assalariado rural brasileiro. Estudos e Pesquisas Nº 74.

Duarte, Luana Cristina et al. 2021. A diversidade dos arranjos sucessórios em propriedades rurais não agrícolas no noroeste do Rio Grande do Sul. DRd - Desenvolvimento Regional em Debate, v.11, p. 1-20. DOI: https://doi.org/10.24302/drd.v11.3166

Dudek, Michal e Pawłowska, Aleksandra. 2021. Can succession improve the economic situation of family farms in the short term? Evidence from Poland based on panel data. Land Use Policy, 12. DOI: https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2021.105852

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Visão de futuro: Escassez e elevação do custo da mão de obra, 2022. Disponível em: https://www.embrapa.br/en/visao-de-futuro/intensificacao-tecnologica-e-concentracao-da-producao/sinal-e-tendencia/escassez-e-elevacao-do-custo-da-mao-de-obra. Acesso em: outubro de 2022.

Fischer, Heike e Burton, Rob J.F. 2014. Understanding farm succession as socially constructed endogenous cycles. Sociologia Ruralis, v. 54, n. 4, p. 417-438. DOI: doi.org/10.1111/soru.12055

Froehlich, José Marcos et al. 2011. Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na região central do RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 9, p. 1674-1680.

Garcia, Junior Ruiz. 2014. Trabalho rural: tendências em face das transformações em curso. In: Buainain, Antônio Márcio et al. (Editores técnicos). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, p. 559-589.

Gasson, Ruth et al. 1998. The farm as a family business: a review. Journal of Agricultural Economics, v. 39, n. 1, p. 1-41.

Gasson, Ruth e Errington, Andrew. 1993. The farm family business. Wallingford: Cab International.

Grubbström, Ann e Sooväli-Sepping, Helen. 2012. Estonian family farms in transition: a study of intangible assets and gender issues in generational succession. Journal of Historical Geography. Volume 38, Issue 3, p. 329-339. DOI: doi.org/10.1016/j.jhg.2012.03.001

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos Demográficos: População Rural. Tabela 200 (SIDRA). Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=cd&o=2&i=P&c=200>. Acesso em março de 2017.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006: resultados preliminares. Brasília, 2006. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?z=p&o=2&i=P>. Acesso em: 30 jan. de 2014.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017: resultados definitivos. 2017. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017> Acesso em 15 de outubro de 2019.

Inwood, Shoshaná e Sharp, Jeff. 2012. Farm persistence and adaptation at the rural–urban interface: Succession and Farm Adjustment. Journal of Rural Studies, v. 28, n. 1, p. 107-117. DOI: doi.org/10.1016/j.jrurstud.2011.07.005

Kay, Ronald et al. 2014. Gestão de propriedades rurais. 7. ed. Porto Alegre: AMGH.

Kischener, Manoel Adir. 2015. A sucessão geracional na agricultura familiar num contexto de mercantilização e modernização: um estudo em duas comunidades do Sudoeste do Paraná. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco: UTFPR.

Kiyota, Norma e Perondi, Migual Angelo. 2014. Sucessão Geracional na agricultura familiar: Uma questão de renda? In: Buainain, Antônio Márcio et al. (editores técnicos). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola, Brasília, DF: Embrapa, p. 1012-1047.

Lago, Adriano. et al. Analyzing decision-making factors in the generational succession of rural youth. Journal of Co-operative Organization and Management, v. 10, n. 2, Dec. 2022.

Leonard et al. Risky (farm) business: Perceptions of economic risk in farm succession and inheritance. Journal of Rural Studies. Volume 75, April 2020, Pages 57-69. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2019.12.007

Maia, Alexandre Gori. 2014. O esvaziamento demográfico rural. In: Buainain, Antônio Márcio et al. (editores técnicos). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola, Brasília, DF: Embrapa, p. 1082-1100.

Matte, Alessandra, Spanevello, Rosani Marisa, Andreatta, Tanice. 2015. Perspectivas de sucessão em propriedades de pecuária familiar no município de Dom Pedrito - RS. Holos (Natal. Online), v. 1, p. 144-159.

Matte, Alessandra e Machado, João Armando Dessimon. 2016. Tomada de decisão e a sucessão na agricultura familiar no sul do Brasil. Revista de Estudos Sociais, Cuiabá, v. 18, n. 37, p. 130-151.

Matte, Alessandra et al. 2019. Agricultura e Pecuária Familiar:(des) continuidade na reprodução social e na gestão dos negócios. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 15, n. 1, p. 19-33.

Morais, Manoela et al. 2017. Identifying beliefs underlying successors intention to take over the farm. Land Use Policy, v. 68, p. 48-58.. DOI: doi.org/10.1016/j.landusepol.2017.07.024

Matte, Alessandra, Waquil, Paulo Dabdab. 2013. Vulnerabilidade social e a construção de estratégias de enfrentamento e adaptação para pecuaristas de corte no Rio Grande do Sul. Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPR), v. 28, p. 107-125.

Moreira, Sandro da Luz. e Spanevello, Rosani Marisa. 2019. Modelos sucessórios em propriedades rurais: um estudo no município de Cruz Alta/RS. Grifos, v. 28, n. 46, p. 27-47. DOI: http://doi.org/10.22295/grifos.v28i46.4563

Moreira, Sandro da Luz et al. 2020. Estratégias paternas para a manutenção da sucessão geracional em propriedades rurais. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 28 n. 2, p. 413 – 433. DOI: https://doi.org/10.36920/esa-v28n2-7

Orlov, Alexandre. 2011. System approach to defining the notion of administration in the terminological basis of the public administration science. Public Policy and Administration, T. 10, Nr. 3 /, v. 10, n. 3, p. 427-436.

Patuzzi, Barbara Dakeri, et al. 2019. Análise crítica do nível de conhecimento e da utilização de controle e gestão pelos proprietários rurais. Revista Gestão e Desenvolvimento, 16(1), 152–176. DOI: https://doi.org/10.25112/rgd.v16i1.1536

Schneider, Sergio. 2016. A presença e as potencialidades da agricultura familiar na América Latina e no Caribe. Redes, v. 21, nº 3, p. 11-33. DOI: https://doi.org/10.17058/redes.v21i3.8390

Schneider, Sergio. 2010. Reflexões sobre diversidade e diversificação agricultura, formas familiares e desenvolvimento rural. Ruris - Centro de Estudos Rurais, v. 4 n. 1.

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. 2015. Curso técnico em agronegócio: gestão de custos / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural; Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, Rede e-Tec Brasil, SENAR (Organizadores). Brasília: SENAR.

Signor, C. P. Empreendedorismo rural: intenções empreendedoras dos jovens acadêmicos da área de Ciências Agrárias. 2019. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação em Agronegócios) - Universidade Federal de Santa Maria.

Silva, B. et al. 1986. Dicionário de ciências sociais. Instituto de documentação. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Silva, Paola e Buss, Ricardo Niehues. 2011. A Administração na Pequena Propriedade Rural. Revista São Luis Orione, v.1, n. 5, p. 149-173.

Silvestro, Milto Luis et al. 2001. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Brasília: EPAGRI–NEAD.

Silvestro, Milto Luis et al. 1998. Juventude e agricultura familiar: desafios dos novos padrões sucessórios. Brasília: Edições Unesco.

Spanevello, Rosani Marisa. 2008. A dinâmica sucessória na agricultura familiar. 2008. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre.

Spanevello, Rosani Marisa e Lago, Adriano. 2007. As cooperativas agropecuárias e a sucessão profissional na agricultura familiar. In: Anais Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 45., Londrina.

Spanevello, Rosani Marisa et al. 2017. A Problemática do Envelhecimento no Meio Rural sob a Ótica dos Agricultores Familiares sem Sucessores. Desenvolvimento em Questão, v. 15, n. 40, p. 348-372. DOI: https://doi.org/10.21527/2237-6453.2017.40.348-372

Ulrich, Elisane Roseli. 2009. Contabilidade rural e perspectivas da gestão no agronegócio. Revista de Administração e Ciências Contábeis do IDEU, v. 4, n. 9, p. 01-13.

Wagner, Saionara Araújo et al. 2004. Padrão tecnológico em unidades de produção familiar de leite no Rio Grande do Sul relacionado com diferentes tipologias. Ciência Rural, v. 34, p. 1579-1584.

Wheeler, S. et al. Handing down the farm? The increasing uncertainty of irrigated farm succession in Australia. Journal of Rural Studies, v. 28, n. 3, p. 266-275, 2012. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2012.04.001

Zhou, Hong et al. 2020. Labor migration and the decoupling of the crop-livestock system in a rural mountainous area: Evidence from Chongqing, China. Land Use Policy, 25. DOI: https://doi.org/10.1016/j.landusepol

Publicado
2023-01-02
Cómo citar
Spanevello, Rosani, Sandro Moreira, Alessandra Matte, y Mariele Boscardin. 2023. La Migración Juvenil Y Las Dificultades De Reproducir La Mano De Obra En Propiedades Rurales Familiares Brasileñas. Eutopía. Revista De Desarrollo Económico Territorial, n.º 22 (enero), 54 - 73. https://doi.org/10.17141/eutopia.23.2022.5585.