Contribuição das festas para a valorização do patrimônio imaterial alimentar nas linhas rurais

Palabras clave: Fiestas gastronómicas, Rural, Patrimonio inmaterial, Cultura de la comida

Resumen

Este texto se refiere a una parte de la investigación realizada en 2019 en Marechal Cândido Rondon, Paraná. En este municipio, anualmente, se realizan 20 fiestas culinarias o gastronómicas en las diversas comunidades rurales, ocasiones que involucran a muchos vecinos de estas comunidades en la logística de organización y preparación de los alimentos a servir. El objetivo fue indagar, analizar y registrar los límites y potencialidades de las referidas fiestas que, por su importancia para el municipio y sus habitantes, pueden ser consideradas patrimonio inmaterial de la cultura gastronómica local, a través de las fiestas que se realizan en el campo, sobre líneas rurales. Es importante reflexionar que, a pesar de algunas modificaciones y adaptaciones, a lo largo de los años se siguen reproduciendo las fiestas estudiadas, así como los platos considerados típicos, aunque con cambios en los ingredientes. Si no son los mejores en cuanto a la nutrición y el uso de productos de la agricultura familiar local, siguen siendo una categoría de fiestas tradicionales.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

AMARAL, R. 1998. Festa “à brasileira”: sentidos do festejar no país que “não é sério”. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade de São Paulo. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8134/tde-21102004-134208/pt-br.php Acesso em: 12 de maio de 2018.

BAUMAN, Z. 1998. O Mal-Estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Zahar.

BESSIÈRE, J. 1998. Local Development and Heritage: Traditional Food and Cuisine as Tourist Attractions in Rural Areas. Sociologia Ruralis, v, 38, nº 1.

https://doi.org/10.1111/1467-9523.00061

BORTNOWSKA, K. ALBERTON, A. MARINHO, S.V. 2012. Cultura e Alimentação: análise das Festas Gastronômicas na Serra Gaúcha. Rosa dos Ventos, 4(III), p.369-383, jul-set. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/1673 Acesso em: 05 de junho de 2018.

CAETANO, A. L. de O. et al. 2012. “História posta à mesa”. Revista Santa Catarina em História, v.6, n.1. Disponível em: https://nexos.ufsc.br/index.php/sceh/article/view/536/225 Acesso em 05 de junho de 2018.

CASCUDO, L. da C. 2002. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Global.

______ 2004. História da alimentação no Brasil. São Paulo: Global.

CONTRERAS, J.; GRACIA, M. 2011. Alimentação, Sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Fiocruz.

DORNELES, E.B. 2001. Gramado: a produção e consumo de uma imagem de cidade europeia no sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/1514

Acesso em: 07 de maio de 2019.

EWBANK, T. 1976. Vida no Brasil. São Paulo: Ed. da USP. São Paulo.

FLANDRIN, J. L.; MONTANARI, M. (Org.).1998. História da alimentação. Tradução de MACHADO, L.V. ; TEIXEIRA, G. J.F. São Paulo: Estação Liberdade.

FISCHLER, C. 1995. El (h)omnívoro - El gusto, la cocina y el cuerpo. Traducción de MERLINO, M. Barcelona: Anagrama.

GARCÍA, L. Jacinto. 2013. Una historia comestible: homínidos, cocina, cultura y ecologia. Gijón: TREA, 2013.

GIARD, L. 2012. Cozinhar. In: CERTEAU, M. de et al. (Org). A invenção do cotidiano II: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, p.210-331.

GIDDENS, A. 2012. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: BECK, U; GIDDENS, A; LASH, S. Modernização reflexiva: política, tradição, e estática na ordem social moderna. Tradução: LOPES, M. São Paulo: UNESP, p. 89-166.

GIL, A. C. 2010. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

GOERGEN. P.L. 2000. Competências docentes na educação do futuro: anotações sobre a formação de professores. Nuances, v, VI. Out. https://doi.org/10.14572/nuances.v6i6.88

HAHN, E. R; GILLOGLY,M. BRADFORD, B.E. 2021. Children are unsuspecting meat eaters: An opportunity to address climate change. Journal of Environmental Psychology, 78 101705, 1-9. Disponível em: https://sciencedirect.com/science/article/pii/S0272494421001584 Acesso em: 05 de março de 2022.

HALL, S. 2000. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T. T. (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

HARRIS, Marvin. 2011. Bueno para comer. Tradução: BASARÍN , J.C.; CATALINA, G. G. Madrid: Alianza Editorial.

HERNÁNDEZ, J. C. 2005. Patrimônio e globalização: o caso das culturas alimentares. In: CANESQUI, A.M.; GARCIA, R.W.D. Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fiocruz. p. 129-146.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Primeiros Resultados /Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE.

______. Cidades: Marechal Cândido Rondon, 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/marechal-candido-rondon/panorama Acesso em: 01 set 2019.

LIMA, R. S. 2015. Práticas alimentares e sociabilidades em famílias rurais da zona da mata mineira: mudanças e permanências. Viçosa: UFV. Tese (Doutorado em Extensão Rural). Disponível em: https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/7300/1/texto%20completo.pdf Acesso em 18 de ago. de 2018.

LODY, R. 2008. Brasil bom de boca: temas da antropologia da alimentação. São Paulo: SENAC.

MARTINS, A.P.B. et al. 2013. Participação crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 47, p. 656-665. DOI: https://10.1590/S0034-8910.201304700496

MAUSS, M. 2003. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: ______. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac-Naify, p. 281-314.

MENASCHE, R. ALVAREZ, M. COLLAÇO, J. 2012. Dimensões socioculturais da alimentação: diálogos latino-americanos. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

MINTZ, S. W. 2001. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 47, p. 31-41..

PINTO, H. S.; SIMÕES, R. A. 2016. Cultura Alimentar como Patrimônio Imaterial da Humanidade: desafios e oportunidades para a gastronomia brasileira. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, abril (Texto para Discussão nº 195). Disponível em: www.senado.leg.br/estudo Acesso em 4 de abril de 2018.

PLOEG, J. D. V. D. 2008. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora UFRGS.

POULAIN, J.P. 2001. Les modèles alimentaires. In: POULAIN, Jean-Pierre. Manger aujourd’hui: attitudes, normes et pratiques. Paris: Privat, p. 23-38. Disponível em: https://www.anisetoile.org/IMG/pdf/03_Chapitre1_01_Poulain.pdf Acesso em 05/06/2018.

______ 2013. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Tradução: PROENÇA, R.P. da C. Florianópolis: Ed. da UFSC.

POULAIN, J-P; PROENÇA, R. P. da C. 2003. O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Rev. Nutr., Campinas, 16(3):245-256, jul./set. https://doi.org/10.1590/S1415-52732003000300002

REDE BRASILEIRA DE PESQUISA EM SOBERANIA E SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL- REDE PENSSAN. 2021. Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil. Disponível em: http://olheparaafome.com.br/VIGISAN_Inseguranca_alimentar.pdf Acesso em: 05 de março de 2022.

RICHARDSON, R. J. 2012. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

SAQUET, M. A. 2017. Território, cooperação e desenvolvimento territorial: contribuições para interpretar a América Latina. In: SAQUET, M.A.; ALVES, A. (Org) Processos de cooperação e solidariedade na América Latina. Rio de Janeiro: Consequência, p. 37-67.

SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. 2008. Território, Territorialidade e Desenvolvimento: diferentes perspectivas no nível internacional e no Brasil In: ALVES, A. F.; CARRIJO, B. R.; CANDIOTTO, L. Z. P. (Org.). Desenvolvimento territorial e agroecologia. São Paulo: Expressão Popular, 2008, p. 15-31.

SILVA, D. A. C. 2017. A Manutenção e a Reconfiguração dos Hábitos como Fonte de Idenitdade Cultural: O Caso dos Migrantes Maranhenses em São Gotardo-MG. Revista Brasileira de Educação e Cultura, n. XV, Jan-jun, p. 60-70. Disponível em: https://periodicos.cesg.edu.br/index.php/educacaoecultura/article/view/303. Acesso em: 20 outubro de 2019.

TELEGINSKI, N.M. 2016. Sensibilidades na cozinha: a transmissão das tradições alimentares entre descendentes de imigrantes poloneses no centro-sul do Paraná, século XX. Curitiba, PR. Tese (Doutorado em História). Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/46075. Acesso em: 18 de abril de 2019.

UNESCO. 2010. Basic Texts of the 2003 convention for the safeguarding of the intangible cultural heritage. Paris: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization,UNESCO.

WRANGHAM, R. 2010. Pegando fogo: porque cozinhar nos tornou humanos. Tradução: BORGES, M. L. X. de A. Rio de Janeiro: Zahar.

YIN, R.K. 2001. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução: Daniel Grassi. 2.ed. Porto Alegre: Bookman.

Publicado
2022-06-30
Cómo citar
Heinrich, Rafael, y Romilda de Souza Lima. 2022. Contribuição Das Festas Para a Valorização Do Patrimônio Imaterial Alimentar Nas Linhas Rurais. Eutopía. Revista De Desarrollo Económico Territorial, n.º 21 (junio), 143 -64. https://doi.org/10.17141/eutopia.21.2022.5386.